Bem-Vindo à Foz ao Minuto, líder de audiências na Figueira da Foz

publicidade.fozaominuto@gmail.com

publicidade.fozaominuto@gmail.com
A melhor forma de anunciar no século XXI

30 de abril de 2019

Mais de 500 de participantes formam Laço Azul Humano em Montemor-o-Velho



No dia 30 de abril, em Montemor-o-Velho, a iniciativa Abril - Mês da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância e Juventude, promovida pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Montemor-o-Velho e em parceira com a Câmara Municipal, culminou com a formação de um gigantesco Laço Azul Humano intergeracional, reunindo mais de 500 participantes, no Largo da Feira.
Assim, os meninos e as meninas do Jardim de Infância e do 1.ºs Ciclos do Centro Educativo de Montemor e do Jardim de Infância Ilda Moreno (Associação Fernão Mendes Pinto), os alunos da ADA – Associação Diogo de Azambuja (Escola Profissional de Montemor-o-Velho e Escola Profissional Agrícola Afonso Duarte) e os utentes da Santa Casa da Misericórdia de Montemor-o-Velho deram forma às preocupações de todos, alertando para os maus-tratos na infância e juventude.
Ao destacar que “o laço está cada vez maior e que reúne mais participantes”, o presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho, Emílio Torrão, reforçou que “todas as iniciativas são fundamentais para se motive comunidade para a causa da CPCJ e para as pessoas que precisam de apoio e proteção, em particular as crianças e os jovens”.
De igual modo, Paula Rama, vereadora e presidente da CPCJ de Montemor-o-Velho, na companhia dos elementos da Comissão Alargada da CPCJ e de Joana Cerdeira, da equipa regional do Centro da Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens (CNPDPCJ), sublinhou: “A formação do Laço Azul Humano, com as crianças, os jovens e os seniores é uma forma de demonstrar que devemos, todos juntos, construir uma comunidade livre cada mais alerta para a questão dos maus-tratos, sejam eles físicos ou psicológicos, sendo um trabalho que deve acontecer diariamente”.
“Acreditamos que as iniciativas que desenvolvemos ao longo do mês ajudaram a dar mais um passo para alertar para a problemática dos maus-tratos na infância e na juventude”, reforçou.
Recorda-se que a formação do Laço Azul Humano, efetuada às 14h, partiu de um desafio e de um apelo da CNPDPCJ a todas CPCJ´s do país, por se tratar do mesmo horário em que a Comissão Nacional levou a efeito a organização de um Laço nas escadarias da Assembleia da República.
A par da distribuição de um cartaz alusivo à iniciativa, entregue nas instalações da CPCJ de Montemor-o-Velho, nas Escolas, na Câmara Municipal, no Centro de Saúde e respetivas Extensões, nas Juntas e Uniões de Freguesia, na Segurança Social, nas IPSS’s, nas Associações, nos Bombeiros e na GNR, foram distribuídos flyers e marcadores de livros com a história do laço azul, assim como foram organizadas, com o apoio da Seção de Prevenção Criminal e Policiamento Comunitário, no âmbito do programa Escola Segura, do Destacamento da GNR de Montemor-o-Velho, duas minioperações STOP pelos alunos do 2º ano da EB1 de Meãs do Campo e da Escola Básica de Arazede.
Sob o mote “Serei o que me deres...que seja amor” - lema escolhido para 2019 – ao longo de todo o mês, a CPCJ de Montemor-o-Velho, com o intuito de reforçar a mensagem de alerta para a problemática dos maus-tratos na infância e na juventude, colocou também uma faixa vertical na fachada do edifício dos Paços do Concelho.



No final da formação no Laço Azul Humano, realizou-se, na Câmara Municipal de Montemor-o-Velho, a reunião da Comissão Alargada da CPCJ, tendo sido apresentado por Joana Cerdeira, o projeto Adélia, uma iniciativa de apoio à parentalidade positiva promovida pela CNPDPCJ.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Mais recentes em destaque

Direitos de Autor

Todo o conteúdo deste site encontra-se protegido por direitos de autor. Não é autorizada a cópia permanente, no todo ou parte, e por qualquer forma, do conteúdo deste site, nem a colocação de links para este site em outros sites, sem o consentimento prévio escrito da Foz ao Minuto.

O utilizador não está autorizado a transmitir, distribuir, publicar, modificar, vender ou utilizar por qualquer forma a informação, incluindo imagens, contida neste site.

A prática de plágio é considerada crime, segundo a lei portuguesa.

A Foz ao Minuto encontra-se registada na Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) com o número de registo 126961, e encontra-se apta para as suas funções.

Copyright © Foz ao Minuto