Receba novidades da Foz ao Minuto no seu Email

21 de agosto de 2017

Sabe o porquê do nome Figueira da Foz?




HISTÓRIA

A origem do nome Figueira da Foz pode procurar-se «na lenda que afirma provir de uma figueira que existia no cais da Salmanha, onde os pescadores amarravam os barcos. Segundo Nelson Correia Borges, o nome resulta da sobreposição de várias palavras com o mesmo significado». Ou seja, figueira seria «fagaria» (abertura, boqueirão), foz deriva do latim «fauces» (embocadura) e Mondego compõe-se do pré-romano «moud» (boca) e «aec» (rio). Ao pronunciar-se Figueira da Foz do Mondego repete-se, assim, «boca da boca da boca do rio». 

Os romanos legaram marcas da sua presença, das quais se podem destacar as inscrições em dois denários — um da família Vibia, outro do imperador Octávio Augusto. 

Dos sarracenos apenas se sabe que arrasaram a povoação em 717. Foi o conde Sesnando, moçárabe natural de Tentúgal, que conduziu a reconquista cristã. O mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, ciente da posição estratégica da localidade como porto de mar, inicia no séc. XI o povoamento das terras. O cabido Pedro de Coimbra atribui, em carta de foro, as herdades e montes da Tamargueira, que correspondem à parte norte da localidade. 

Em 1527, através de frei António de Buarcos, aí se estabelece o Convento de Santo António, conferindo maior importância ao povoado. No início do séc. XIX, com o acréscimo do movimento do porto e o desenvolvimento da construção naval, a população quase duplicou. Com o progressivo assoreamento do seu porto, Aveiro transfere para a Figueira grande parte do tráfego mercantil. Em 1773, começa a exploração da mina do Focinho da Figueira. Surgem o caminho-de-ferro e a estrada Pampilhosa-Figueira. A 20 de Setembro de 1882 é elevada à categoria de cidade. 

As águas límpidas e a areia dourada começaram a atrair a aristocracia do princípio do século e, nos anos 20, os espanhóis endinheirados que vinham deixar as suas pesetas no casino. 
Nos anos 70, a construção do molhe de Leixões gerou um complicado processo de deposição que alargou a praia para quase 1 km junto ao Grande Hotel. Dizem os figueirenses que hoje, para tomar banho, é preciso alugar um camelo.  (In: Guia Expresso das cidades e vilas históricas de Portugal, n.º 7, 20/7/1996, págs. 54-55).


PRAIA DA FIGUEIRA DA FOZ 

A Figueira da Foz teve a sua época de glória nos anos 30. Antes da guerra civil, «os espanhóis endinheirados esbanjavam alegremente as suas pesetas no casino». Para a Figueira iam também as famílias ricas da Beira: bastava apanhar o comboio e seguir pelo ramal da Pampilhosa ou pelo de Alfarelos. É a partir dos anos 60 que as coisas começam a mudar. Surge a febre da construção em altura que, em duas décadas, destruiu a elegante fachada da Figueira.

Para se ter uma ideia de como as coisas eram, olhe-se para a esplanada onde se situam os restos do Castelo Engenheiro Silva ou, mais para norte visite-se o Palacete Sotto Mayor. As intervenções no litoral a norte perturbaram o delicado mecanismo das correntes e da movimentação das areias: hoje, a praia tem 1 km de largura frente ao Grande Hotel (os figueirenses dizem que é preciso ter um camelo para ir tomar banho) e, em contrapartida, o mar avança entre Buarcos e a Tamargueira, tendo já obrigado a obras de emergência. 


Fonte: Prof2000.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário

Direitos de autor

Todo o conteúdo deste site encontra-se protegido por direitos de autor. Não é autorizada a cópia permanente, no todo ou parte, e por qualquer forma, do conteúdo deste site, nem a colocação de links para este site em outros sites, sem o consentimento prévio escrito da Foz ao Minuto.

O utilizador não está autorizado a transmitir, distribuir, publicar, modificar, vender ou utilizar por qualquer forma a informação, incluindo imagens, contida neste site.

A prática de plágio é considerada crime, segundo a lei portuguesa.

A Foz ao Minuto encontra-se registada na Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) com o número de registo 126961, e encontra-se apta para as suas funções.


Copyright © fozaominuto