Receba novidades da Foz ao Minuto no seu Email

27 de agosto de 2017

História da freguesia de Quiaios

 

HISTÓRIA

Quiaios é uma freguesia muito antiga, pois a origem do seu nome pode estar ligada à reconquista de Coimbra e de Montemor aos mouros, situando-se entre os séculos IX e XII. Existem várias versões dessa mesma origem. Uma delas diz que D. Afonso Henriques, na sua luta contra os mouros para os expulsar do país, encontrando-os nesta povoação, chamou pelos seus acompanhantes e gritou bem alto: “Corramos sobre os moiros. Aqui há-os!”. É bem visível a origem do topónimo derivado desta contracção.
 
O topónimo Quiaios pode ser também de origem fenícia ou cartaginesa e a sua formação poderá ter sido: Qiqayon- Qiayon- Qiaionus- Kiaius- Quiaios. A tradução da palavra pode ser Hera, Rícino ou Aboboreira, são todas designações de plantas.
  
Os primeiros registos desta povoação datam do século IX d.C. . Já em 1122 outros documentos referem que a rainha D. Teresa, mãe de D. Afonso Henriques, doou ao seu amante, D. Fernando (Fernão) Peres de Trava, o castelo de St.ª Eulália, o de Soure e a Vila de Quiaios, como recompensa pelos seus bons serviços.
 
Devido às discórdias entre mãe e filho, que inclusivamente resultaram na Batalha de S. Mamede, D. Afonso Henriques assume a governação do reino e expulsa de Quiaios o amante de sua mãe. Graças à árdua tarefa que Paio Guterres desempenhou na Independência de Portugal, o rei doou-lhe em 1134 parte da vila de Quiaios. A outra parte foi doada ao Mosteiro de St.ª Cruz de Coimbra.
 
Mais tarde, a 23 de Agosto de 1514, no reinado de D. Manuel I, a vila de Quiaios recebe foral que certificava as obrigações e regalias da povoação. O concelho de Quiaios é abolido em 1836 e aparece como freguesia do concelho de Maiorca em 1842. Quando este é extinto, em 31 de Dezembro de 1853, passou Quiaios a incluir-se no concelho da Figueira da Foz.


A freguesia de Quiaios tem zonas de presenças pré-históricas na área da Serra da Boa Viagem, como é o caso dos dólmenes, que datam do quarto milénio a.C.. Salienta-se ainda a estação dos Pardinheiros onde se encontraram vestígios da Idade do Ferro, da Época Romana e da Idade Média. Este material foi, em parte, recolhido e estudado pelo arqueólogo Dr. Santos Rocha, nos finais do século XIX, os quais se podem observar no Museu Municipal da Figueira da Foz.


Origem do nome Quiaios

São várias as versões que tentam explicar a origem do topónimo, mas sem¬pre relacionadas com a conquista do ter¬ritório aos mouros, liderada por D. Afonso Henriques.
Conta-se, então, que, andando D. Afonso Henriques à cata de mouros para os expulsar do País, e encontrando sinais deles nesta povoação, chamou pelos que o acompanhavam, dizendo alto, para que o ouvissem bem e viessem de pronto atacar os mouros `Aqui, aios!". Outra versão diz que o rei bradou "Aqui há-os!".

A história da freguesia está intimamente ligada às conquistas de Coimbra e Montemor, que decorreram entre os séculos IX e XI. No final do século IX, já Quiaios era uma vila rústica do território de Montemor. Em 1143, D. Afonso Henriques doou Quiaios, juntamente com Lavãos, ao seu Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, com o seu eclesiástico; esta foi a origem dos direitos do padroado local do dito mosteiro, que, se não encon¬trou alguma, construiu ou reedificou a Igreja de S. Mamede, devoção, aliás, antiquíssima, e que já deveria existir em Quiaios desde tempos mais remotos. D. Manuel I concedeu-lhe foral novo em 1514. Quiaios benefi¬ciou igualmente do foral de Montemor-o-Velho, dado por D. Manuel em 1516. O concelho de Quiaios já existia em 1839.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Direitos de autor

Todo o conteúdo deste site encontra-se protegido por direitos de autor. Não é autorizada a cópia permanente, no todo ou parte, e por qualquer forma, do conteúdo deste site, nem a colocação de links para este site em outros sites, sem o consentimento prévio escrito da Foz ao Minuto.

O utilizador não está autorizado a transmitir, distribuir, publicar, modificar, vender ou utilizar por qualquer forma a informação, incluindo imagens, contida neste site.

A prática de plágio é considerada crime, segundo a lei portuguesa.

A Foz ao Minuto encontra-se registada na Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) com o número de registo 126961, e encontra-se apta para as suas funções.


Copyright © fozaominuto