PSD/Quiaios renuncia ao mandato e quer eleições autárquicas intercalares

 


Os elementos do PSD na Assembleia de freguesia de Quiaios, adiantam através de comunicado que se demitem em bloco da já referida assembleia e pretendem que sejam marcadas eleições intercalares o mais rápido possível:


Leia na íntegra o comunicado social-democrata:

«Desde a perda de mandato por parte de Fernanda Lorigo e Carlos Patrão (respetivamente, Presidente e Secretário do Executivo da JFQ), em setembro, que temos afirmado que os elementos do PS não merecem a confiança por parte dos elementos do PSD para formarem novo Executivo. Sempre compactuaram com as ilegalidades e defenderam a atuação condenada em tribunal e punida com perda de mandato e penas de prisão. Mantêm, desde setembro, um Executivo em gestão de forma ilegal, na esperança que o tempo passe e apague as memórias. Com uma oleada máquina de propaganda pretendem passar para a oposição a responsabilidade do estado em que se encontra a freguesia, e de não os deixarem governar a freguesia em pleno. Resumindo, criaram um problema, traíram o parceiro de formação de Executivo em 2017 (a CDU), e ainda querem passar a responsabilidade para a restante oposição. Durante os últimos 2 meses foram várias as tentativas de formação de Executivo, mantendo uma farsa que, era sabido, teria sempre o mesmo desfecho. Nunca foi proposta uma solução tripartidária, porque nunca quiseram conversar com a CDU, numa solução que estaríamos dispostos a negociar. Estamos na altura do ano da apresentação de Orçamento e Plano para o ano de 2021 não há nada a apresentar, pois o Executivo está em gestão e não tem competências para o fazer. A freguesia está bloqueada por culpa do PS. Esta situação deixa-nos assim no limite do responsável e do sustentável, não restando aos elementos do PSD outra solução senão a sua demissão em bloco da Assembleia de Freguesia. Com esta ação pretendemos que sejam marcadas eleições autárquicas intercalares o mais breve possível, que permitam sair do impasse criado pelo PS, de forma democrática. A pandemia que vivemos não suspende a freguesia. Não é, pois, um argumento aceitável para que os habitantes da nossa freguesia não sejam chamados a decidir, como o PS tem propagandeado, pois neste dia 13 de dezembro realizam-se eleições intercalares em Ervedelo (Chaves), e em janeiro teremos eleições Presidenciais. As eleições Presidenciais poderiam, aliás, servir para que se realizassem as duas eleições em simultâneo, mas por teimosia do PS perdeu-se a oportunidade. Assim, deixamos nas mãos do PS e do Sr. Presidente da Assembleia a responsabilidade e missão de dar seguimento ao processo».

 

Publicar um comentário

0 Comentários