Anuncio

Anuncio

28 de novembro de 2017

Manuel Antunes premiado na Figueira da Foz



HOMENAGEM



Casino Figueira foi o local escolhido para o distinguir o director de serviço do Centro de Cirurgia Cardiotorácica dos HUC pelo Círculo de Amigos da Cirurgia Cardiotorácica


O Professor Manuel Antunes foi distinguido com o prémio Personalidade, Dedicação e Mérito pelo Círculo de Amigos do Centro de Cirurgia Cardiotorácica de Coimbra (CACCC). Tratou-se do reconhecimento pelo seu trabalho impulsionador no Centro de Cirurgia Cardiotorácica dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC) durante a XVII Gala Anual do CACCC que, a quase três décadas, exerce o cargo de director daquele serviço.
O anúncio foi feito por Frederico Teixeira, presidente do CACCC e, a plateia, ovacionou de pé o premiado durante a sua deslocação até ao palco para a cerimónia de entrega do galardão. Com uma carreira recheada de êxito Manuel Antunes começou por acentuar o seu discurso de agradecimento com uma frase, com a qual procurou seguir como princípio ao longo da sua vida e carreira
“O que quer que faças, faz com integridade. Onde quer que vás, vai como líder. Quem quer que sirvas, serve com carinho. Quando sonhares, sonha com todo o seu ser. E nunca, nunca desistas”. Foram estas as palavras que Manuel Antunes, se deparou, há cerca de três ou quatro meses, no elevador de uma unidade hoteleira, durante uma visita a Oslo, capital da Noruega, quando se dirigia ao quarto do hotel.
Ao longo de quase de três décadas de serviço no Centro de Cirurgia Cardiotorácica dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC) «procurei seguir estes princípios», sublinhou Manuel Antunes.
A menos de meio ano de abandonar a actividade profissional, por se encontrar a atingir o limite de idade, Manuel Antunes orgulha-se da equipa que com ele trabalha: são 117 pessoas, 16 a 18 médicos, 70 enfermeiros, 16 auxiliares, cinco secretárias e seis técnicos de circulação extracorpórea. Durante quase 30 anos como director do Serviço do Centro de Cirurgia Cardiotorácica dos HUC, a sua equipa já efectuou cerca de 35 mil cirurgias ao coração e 349 transplantes cardíacos.
«Este trabalho é fruto de muito trabalho e dureza para servir os nossos doentes, em que toda a nossa equipa é responsável pelos sucessos. Já fizemos muita coisa e outras ficaram por fazer, mas sempre procurámos fazê-lo no limite, pelo que esta homenagem é extensível a toda a equipa», disse Manuel Antunes.
«Por vezes dizem-nos que damos novos corações aos pacientes, mas o que fazemos é aplicar peças usadas, mas com garantia», sublinhou Manuel Antunes, rematando: «Gostaria de ver nos HUC uma sala híbrida antes da minha retirada, que seria a primeira no país».
Uma sala híbrida é um compartimento cirúrgico equipado com equipamentos avançados de imagens como um equipamento de angiografia, tomógrafo ou ressonância magnética e scanners. Estes equipamentos de imagem permitem a realização de procedimentos minimamente invasivos, que são menos traumáticos para o paciente.
Minimamente invasivo significa que o cirurgião não necessita “abrir o paciente” completamente para obter acesso à parte do corpo onde será realizada a cirurgia, mas pode inserir cateteres ou endoscópios através de pequenas incisões.
Apesar de sistemas de imagem já fazerem parte dos componentes padrões de um centro cirúrgico por um longo tempo na forma de arcos-C móveis, ultrassom e endoscopia, estes novos procedimentos minimamente invasivos requerem técnicas de imagem que consigam visualizar partes menores do corpo, como por exemplo, vasos extremamente finos no músculo cardíaco, o que pode ser facilitado através de imagens intraoperatórias 3D.
Refira-se que Manuel Antunes tem pautado a sua carreira de forma exemplar dedicada aos doentes e à defesa de melhores condições da carreira de medicina.




Sem comentários:

Enviar um comentário

Direitos de autor

Todo o conteúdo deste site encontra-se protegido por direitos de autor. Não é autorizada a cópia permanente, no todo ou parte, e por qualquer forma, do conteúdo deste site, nem a colocação de links para este site em outros sites, sem o consentimento prévio escrito da Foz ao Minuto.

O utilizador não está autorizado a transmitir, distribuir, publicar, modificar, vender ou utilizar por qualquer forma a informação, incluindo imagens, contida neste site.

A prática de plágio é considerada crime, segundo a lei portuguesa.

A Foz ao Minuto encontra-se registada na Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) com o número de registo 126961, e encontra-se apta para as suas funções.


Copyright © fozaominuto