Agência Espacial Europeia tem 125 mil euros para apoiar projetos portugueses



Está aberta até ao dia 2 de junho a primeira fase de candidaturas para o Spark 4 Business. Com o apoio deste programa, a Matereo já está a prevenir a queda de pontes e a Connect Robotics vai passar a entregar medicamentos por drone nos próximos meses. 

O Instituto Pedro Nunes (IPN), coordenador do ESA Space Solutions Portugal, abriu as candidaturas para o Spark 4 Business, um programa da Agência Espacial Europeia (ESA), que vai apoiar empresas e institutos de investigação portugueses interessados em transferir tecnologia espacial para criar novos produtos ao serviço da Terra. A primeira fase de candidaturas da edição de 2021 decorre até 2 de junho e a segunda até 2 de novembro em www.space.ipn.pt. 

O Spark 4 Business vai apoiar cinco projetos que utilizem ativos espaciais, como Comunicações por Satélite, Navegação por Satélite ou Observação da Terra, para desenvolver novos produtos e serviços para mercados terrestres, como a saúde, transportes, energia, agricultura, ambiente ou segurança. 


Cada projeto receberá um financiamento máximo até 25 mil euros e apoio do IPN no estudo da viabilidade financeira e técnica. As empresas selecionadas vão ainda beneficiar de um relacionamento direto com a ESA, o que irá fortalecer tanto o seu modelo de negócio, como a sua componente técnica/espacial. O Spark 4 Business abre ainda portas para a participação futura noutros programas da ESA. Empresas portuguesas já dão cartas na transferência de tecnologia espacial A startup Matereo foi uma das apoiadas pelo Spark 4 Business, no desenvolvimento de um assistente virtual - IMSbridge - que recorre a dados de satélite para a monitorização remota de estruturas de engenharia civil, tais como pontes, túneis e barragens, permitindo reduzir incertezas e aumentar a eficiência do setor da construção. 

O IMSbridge é um projeto que, desde o seu começo, tem gerado receitas próprias tendo já clientes de referência como a BRISA e projetos piloto em curso na Eslovénia e Brasil. Ricardo Carmona, Co-founder da Matereo, explica que o apoio do Spark 4 Business foi extremamente relevante para o projeto, “pois permitiu-nos ter recursos para realizar um estudo de mercado mais abrangente, bem como validar em simultâneo alguns dos principais conceitos da nossa tecnologia e o potencial do modelo de negócio junto de possíveis clientes”. Já a Connect Robotics criou com o apoio deste programa um sistema de entrega de encomendas por drones, onde todo o processo é autónomo, necessitando o utilizador apenas de um treino mínimo para iniciar e acompanhar toda a operação. 

Neste momento, a empresa está a operar principalmente no setor da saúde e, nos próximos meses, conta já estar a entregar medicamentos por drone de forma rápida e segura. “O Spark 4 Business permitiu-nos ir de encontro ao mercado de saúde, conhecer a fundo os nossos potenciais clientes e afinar a solução, tanto do lado técnico como do modelo de negócio”, refere Eduardo Mendes, CEO da Connect Robotics. 

Em 2014, o IPN tornou-se o primeiro Space Solutions Centre da Agência Espacial Europeia, entre os 21 centros existentes na Europa, a congregar os três programas de transferência de tecnologia promovidos pela ESA: o ESA Business Incubation Centre, um centro de incubação que integra uma rede de 15 incubadoras que apoia empresas portuguesas que utilizem tecnologia espacial em aplicações terrestres ou que pretendem entrar no mercado espacial comercial; o ESA Technology Broker, uma rede de transferência de tecnologia da ESA que presta apoio na comercialização de tecnologias do espaço em mercados não espaciais, e o ESA Business Application Ambassador Platform, uma rede de embaixadores que divulga programas e apoia projetos nacionais que visem melhorar a vida das pessoas na Terra através da transferência de tecnologia espacial.

Publicar um comentário

0 Comentários