5as de Leitura com Francisco José Viegas




Francisco José Viegas foi o mais recente convidado do projeto de promoção e incentivo à leitura «5as de Leitura», cuja sessão de fevereiro se realizou na passada quinta-feira, dia 20, pelas 21h30, na Biblioteca Municipal Pedro Fernandes Tomás e foi conduzida pelo vereador da Cultura, Nuno Gonçalves, que se referiu ao escritor, editor, professor universitário e jornalista, com experiência governativa, como “um livre pensador, um crítico construtivo da sociedade portuguesa”. Nuno Gonçalves teceu elogios ao público das «5as de Leitura», “um público que gosta de fazer a sua partilha, de fazer as suas perguntas”, e referiu que a iniciativa que o município leva a cabo há um década permite “uma relação biunívoca” entre os escritores e o público e “falar de coisas muito sérias, de forma muito sã”. Francisco José Viegas confidenciou que esta era a primeira vez que falava em público sobre «A Luz de Pequim», um livro que faz uma “espécie de balanço” da vida do inspetor Jaime Ramos, um personagem que acompanha o escritor há quase três décadas e com quem este mantêm uma relação “simpática”. “Sem mim ele não tem existência, eu sem ele tenho que escrever outros livros”, referiu o autor que salientou que mantêm uma relação de “dependência mútua” com Jaime Ramos. “Eu sou um criador com poderes limitados, pois eu posso dar-lhe vida, mas não posso obrigá-lo a ser dependente. O que ele faz no livro é da responsabilidade dele”, referiu o autor. A conversa com o Francisco José Viegas foi bastante animalada e bem-humorada e incluiu reflexões sobre algumas temáticas de relevo, como a questão das políticas públicas culturais que, na perspetiva do escritor são promovidas em cerca de 70% pelas autarquias. O ex-Secretário de Estado da Cultura, referiu ainda a este propósito que “vivemos a euforia da cultura”, e que “a ideia de que tudo é cultura é simpática”, contudo “o estado não pode ser vanguardista”, não pode deixar de lado o que é do domínio tradicional da cultura. Também o panorama literário português, antes e pós 25 de Abril, no que toca ao género policial foi tópico de conversa. Francisco José Viegas recordou que antes da revolução de 1974, o policial era muito apreciado em Portugal e que havia muita gente a escrever policiais, a maioria sob pseudónimo, como António de Andrade Albuquerque (Dick Haskins). O cenário hoje é diferente, o policial “não é popular” enfatizou o escritor que escreve policiais não porque a sociologia do crime lhe interesse, “embora tenhamos alguns criminosos muito interessantes”, mas sim porque lhe interessam “os personagens, o país, e a forma como as coisas se passam, as ligações familiares, as castas”. A próxima sessão das «5as de Leitura» está agendada para dia 26 de março e contará com a presença do escritor Fernando Pinto do Amaral.

Publicar um comentário

0 Comentários