Bem-Vindo à Foz ao Minuto, líder de audiências na Figueira da Foz

FotografiaLDA

FotografiaLDA

30 de abril de 2018

Carlos Encarnação apresentou «Vou por aqui não vou por aí» na Figueira da Foz



LITERATURA



Foi presidente da Câmara de Coimbra, Deputado, Governador Civil e continua a ser um cidadão atento e interventivo. Carlos Encarnação veio à Figueira da Foz apresentar, no passado dia 28 de Abril, o livro «Vou por aqui não vou por aí», em que reuniu dezenas de crónicas de intervenção política publicadas no Diário de Coimbra ao longo dos últimos cinco anos. 



A sessão foi moderada pelo Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, João Ataíde, que definiu Carlos Encarnação como um «homem político livre», uma circunstância provada à saciedade ao longo da obra que, disse, «é um manifesto dessa liberdade, com posições não raras vezes de discordância e até de fractura em relação a temas diversos, da gestão da coisa pública à gestão financeira do país». O político que, lembrou o autarca figueirense, «tanto alertou para o facto de estarmos adormecidos com a abundância de recursos que parecia não ter fim como, depois, se demarcou da austeridade praticada», escreveu «crónicas intemporais nos seus fundamentos, textos que, não sendo fáceis, são válidos para pensar o passado, o presente e o futuro, sobretudo porque se encontra neles a coerência indispensável à credibilidade».

«É já uma tradição minha, quando acabo a colaboração com um jornal, reúno o que escrevi e publico. E sim, eu sei que não é uma prosa fácil, mas entendo que é assim que vale a pena, permitindo que acompanhem o meu raciocínio até à conclusão», explicou o autor. Da liberdade de que nunca abriu mão não fez bandeira. «Não entendo um militante como um seguidor acéfalo… cada opinião é absolutamente essencial para a formação da opinião colectiva», sustentou o social-democrata. «Nesse sentido, tentei sempre ser um agente de mudança», admitiu.

Ao longo da conversa, que se abriu à plateia, Carlos Encarnação adiantou que as suas crónicas, agora no semanário SOL, estão voltadas para o futuro, nomeadamente o da solução governativa para o país. «A solução encontrada teve o mérito de ultrapassar um certo fatalismo que já soava a castigo. Mas não chega, são precisos, agora, outros acordos, outras envolvências», defendeu, alargando ao espaço europeu os ventos de mudança. «O Estado Social é, tal como está, insustentável, mas ninguém tem a coragem de o rever. Sim, não há modelo europeu sem Estado Social, mas não é possível continuar a alargar as funções sociais do Estado… as pessoas e os partidos têm de entender-se sobre isso, porque são os nossos impostos que as sustentam. Não o fazer, não determinar as áreas de intervenção do Estado é agir com falta de critério e de honestidade política», afirmou. 

«Populismo é tornar cada pequena questão uma grande causa nacional, dizendo que é possível assegurar tudo a todos… e não é», considerou. «Incomoda-me que as pessoas não percebam o que está a acontecer, sobretudo nos partidos, onde a cegueira tem arrastado muitos à miséria, como aconteceu em França», concluiu.

Editado pelo Clube da Comunicação Social de Coimbra, representado na sessão pelo seu presidente, Braga da Cruz, o livro faz reverter integralmente a receita para a Casa dos Pobres de Coimbra. A presidente da instituição, Maria Luiza Carvalho, também presente na apresentação do livro, agradeceu o gesto e o acolhimento na Figueira da Foz.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Direitos de autor

Todo o conteúdo deste site encontra-se protegido por direitos de autor. Não é autorizada a cópia permanente, no todo ou parte, e por qualquer forma, do conteúdo deste site, nem a colocação de links para este site em outros sites, sem o consentimento prévio escrito da Foz ao Minuto.

O utilizador não está autorizado a transmitir, distribuir, publicar, modificar, vender ou utilizar por qualquer forma a informação, incluindo imagens, contida neste site.

A prática de plágio é considerada crime, segundo a lei portuguesa.

A Foz ao Minuto encontra-se registada na Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) com o número de registo 126961, e encontra-se apta para as suas funções.


Anuncie AQUI

Principais destaques da semana

Copyright © Foz ao Minuto