3 de janeiro de 2018

«Brace Yourselves» a Vespa Asiática pode vir a caminho





MONTEMOR-O-VELHO


O Serviço Municipal de Proteção Civil (SMPC) de Montemor-o-Velho indica que caso detete ou suspeite da existência de ninho ou de exemplares de vespa velutina (asiática) deve fazer a sua comunicação através de um dos seguintes meios:

• Contactar diretamente o SMPC de Montemor-o-Velho
• Preenchimento online de um formulário disponível no portal www.sosvespa.pt
• Contactar a linha SOS AMBIENTE (808 200 520). Neste caso o observador será informado do procedimento a seguir para a efetiva comunicação da suspeita
• Solicitando a colaboração da junta de freguesia mais próxima do local de detecção/suspeita.

Na área geográfica do concelho de Montemor-o-Velho, o SMPC assegura a confirmação e validação de ninho ou exemplares de vespa velutina, bem como promove e coordena a sua correta destruição, em articulação com os demais agentes de proteção civil e/ou entidades.

A destruição dos ninhos deve ser feita por pessoal qualificado e com equipamento de protecção adequado, seguindo as orientações constantes no Plano de Acção para a Vigilância e Controlo da Vespa Velutina em Portugal.



Recorda-se que os munícipes não devem tentar a destruição de ninhos pelos próprios meios, assim como nunca devem ser utilizadas armas de fogo (e.g. armas de caça), mesmo no caso de difícil acesso aos ninhos, pois este método só provocaria a destruição parcial do ninho e contribuiria para a dispersão e disseminação das vespas e consequente constituição de ninhos novos. Na ausência ou perda da rainha, há nesta espécie a capacidade de as obreiras se transformarem em fêmeas fundadoras e assim estarem aptas a criar novos ninhos.

Segundo o Instituto de Conservação da Natureza e das florestas «a Vespa velutina nigrithorax, adiante designada apenas por Vespa velutina, é uma espécie não-indígena, predadora da abelha europeia (Apis mellifera), encontrando-se, por enquanto, aparentemente circunscrita a concelhos do norte do País. Esta vespa asiática, proveniente de regiões tropicais e subtropicais do norte da Índia, do leste da China, da Indochina e do arquipélago da Indonésia, ocorre nas zonas montanhosas e mais frescas da sua área de distribuição».
A sua introdução involuntária na Europa ocorreu em 2004 no território francês, tendo a sua presença sido confirmada em Espanha em 2010, em Portugal e Bélgica em 2011 e em Itália em finais de 2012.
Na época da primavera constroem ninhos de grandes dimensões, preferencialmente em pontos altos e isolados. Esta espécie distingue-se da espécie europeia Vespa crabro pela coloração do abdómen (mais escuro na vespa asiática) e das patas (cor amarela na vespa asiática).
Os principais efeitos da presença desta espécie não indígena manifestam-se em várias vertentes, sendo de realçar
  • na apicultura - por se tratar de uma espécie carnívora e predadora das abelhas;
  • para a saúde pública – não sendo mais agressivas que a espécie europeia, no caso de sentirem os ninhos ameaçados reagem de modo bastante agressivo, incluindo perseguições até algumas centenas de metros.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Direitos de autor

Todo o conteúdo deste site encontra-se protegido por direitos de autor. Não é autorizada a cópia permanente, no todo ou parte, e por qualquer forma, do conteúdo deste site, nem a colocação de links para este site em outros sites, sem o consentimento prévio escrito da Foz ao Minuto.

O utilizador não está autorizado a transmitir, distribuir, publicar, modificar, vender ou utilizar por qualquer forma a informação, incluindo imagens, contida neste site.

A prática de plágio é considerada crime, segundo a lei portuguesa.

A Foz ao Minuto encontra-se registada na Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) com o número de registo 126961, e encontra-se apta para as suas funções.


Anuncio

Anuncio
Copyright © fozaominuto