Anuncio

Anuncio

18 de setembro de 2017

Geoparque Jurássico do Cabo Mondego apresentado a cientistas de todo o mundo nos Açores


CIÊNCIA

«A investigadora Estefânia Lopes, da equipa que está a preparar a candidatura à UNESCO do Geoparque Jurássico do Cabo Mondego, acompanhada da vereadora da Câmara Municipal, Ana Carvalho, estiveram durante três dias em S. Miguel (Açores), a participar na “14.ª Conference European Geoparks”, organizada pela UNESCO e que contou com representantes, geólogos e investigadores de 70 geoparques dos cinco continentes». 


Segundo a autarca figueirense, o objectivo da presença dos figueirenses no evento, foi o de «apresentar» àquela comunidade científica e aos representantes da UNESCO o Geoparque Jurássico da Figueira, mas também «criar parcerias com outros geoparques semelhantes aos nossos e que já tenham passado pelo processo de reconhecimento da UNESCO», adiantou Ana Carvalho, acrescentando que foram também «aprender as melhores estratégias para uma implementação eficaz de um geoparque e de como envolver toda a comunidade local na sua preservação».




Recorde-se que 14ª Conferência Europeia de Geoparques Mundiais da UNESCO, decorreu entre os dias 7 a 9 de setembro de 2017, em Ponta Delgada, S. Miguel, Açores. Inserida nas celebrações do Ano Internacional do Turismo Sustentável, a temática principal da Conferência será "Geoparks: Pathways of Sustainable Tourism for Development".

Em relação ao Cabo Mondego


Os afloramentos jurássicos do cabo Mondego constituem um conjunto de excepcional importância, nacional e internacionalmente reconhecida. Para além dos elevados valores presentes nos domínios da paleontologia de amonites, da paleoecologia de ambientes de transição, da sedimentologia e da paleoicnologia dos dinossáurios, este conjunto sobressai, em particular, no domínio da estratigrafia.

O perfil geológico da passagem aaleniano-bajociano, consagrado como estratotipo de limite pela International Union of Geological Sciences, constitui um padrão internacional de referência, que materializa e representa um limite específico do tempo geológico, o que acontece pela primeira vez em Portugal.

A qualidade exemplar do registo geológico dos afloramentos emersos e submersos, expostos de forma contínua e correspondendo a um intervalo de 50 milhões de anos, conjugada com a situação geográfica estratégica, que proporciona excelentes condições de observação e estudo, conferem ao cabo Mondego um valor científico, pedagógico e didáctico inexcedível, para além do seu grande interesse geomorfológico e notável qualidade paisagística.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Direitos de autor

Todo o conteúdo deste site encontra-se protegido por direitos de autor. Não é autorizada a cópia permanente, no todo ou parte, e por qualquer forma, do conteúdo deste site, nem a colocação de links para este site em outros sites, sem o consentimento prévio escrito da Foz ao Minuto.

O utilizador não está autorizado a transmitir, distribuir, publicar, modificar, vender ou utilizar por qualquer forma a informação, incluindo imagens, contida neste site.

A prática de plágio é considerada crime, segundo a lei portuguesa.

A Foz ao Minuto encontra-se registada na Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) com o número de registo 126961, e encontra-se apta para as suas funções.


Copyright © fozaominuto